Top

Mariana Martini: empreendedora brasileira na Itália

Empreender é sinônimo de sair da zona de conforto, né, miga? Agora imagina empreender na gringa para os gringos? É exatamente o que Mariana Martini faz. Ela é uma empreendedora brasileira na Itália que teve a coragem de se jogar em um mercado totalmente diferente do que estava acostumada para encontrar o seu espaço. E não é que ela conseguiu?

Empreendendo no Brasil

Mariana é carioca da gema, arquiteta, que já começou a empreender cedo, logo depois de se formar. Em 2012, abriu seu próprio estúdio de arquitetura depois de algumas experiências de estágio durante a faculdade. Em um certo ponto, juntamente com seu namorado, decidiu ter uma experiência de estudo no exterior.

A ideia era que fosse breve, uma vez que já tinha se estabelecido no mercado de arquitetura do Rio de Janeiro. Então, resolveu fazer um mestrado de 1 ano em Home Luxury no Instituto Marangoni em Milão. Quando terminou o curso, pensou que seria enriquecedor trabalhar no mercado italiano, mesmo que todos dissessem que não seria fácil encontrar uma vaga, tanto por ser estrangeira quanto por seu mulher. Em duas semanas, foi contratada por um dos maiores estúdios de arquitetura italianos. Isso que é determinação, né, miga?

Mariana Martini, empreendedora brasileira na Itália
Mariana Martini / Fonte: marianamartini.it

Empreendendo na Itália

Mesmo trabalhando onde muitos gostariam, Mariana sentia falta de fazer os projetos do seu modo. Após 24 meses de experiência fazendo projetos de albergues e hotéis italianos nessa empresa, percebeu que mesmo com todas as vantagens – segurança financeira, colegas de trabalho, horário fixo – ela não estava totalmente feliz. Afinal, o bichinho do empreendedorismo já tinha picado nossa moving girl faz tempo! Sabemos bem como é, né, miga? Mas àquela altura, não fazia mais sentido voltar para o Brasil. E depois de pensar bastante, tomou a grande decisão de empreender, do zero, na Itália.

Quebrando barreiras

A Itália é um país muito tradicional. E, infelizmente, preconceituoso também. De certo que Mariana sofreu, não só pelo fato de ser mulher – que no mercado de trabalho ganha muito menos que o homem – mas também por ser estrangeira e jovem. Ou seja, miga, não é nada fácil ser uma empreendedora brasileira na Itália.

Porém, sempre tem espaço no mercado para pessoas determinadas e a coragem da Mariana fez com que as portas se abrissem para ela. Mesmo tendo começado sem nenhum networking local, se arriscou e começou a sua jornada rumo ao empreendedorismo no exterior, claro que com muito planejamento – financeiro e de tempo também, miga!

Vantagem de ser expatriada

Mas o fato de ser expatriada acabou ajudando nesse processo de quebrar barreiras. Por morar longe da família e amigos, sempre se apoiou muito nas redes sociais e foi através dela que começou a se comunicar diretamente com o público italiano. Por ser algo ainda pouco comum por aqui, ela se destacou e saiu na frente por inovar nessa questão. Depois de muito trabalho e empenho em divulgar o seu trabalho online, hoje Mariana tem um perfil no Instagram com quase 30 mil seguidores. Além disso, conta com um canal no YouTube onde fala da sua experiência profissional como um todo e aconselha outros arquitetos que estão no início de carreira. E por fim, um Curso Online onde ensina arquitetos italianos a encontrarem seu próprio estilo e como comunicá-lo e está prestes a lançar outro – tudo isso em italiano, migas!

Em suma, Mariana chegou na Itália em 2015, começou a empreender em terras italianas em 2018 e agora vem colhendo frutos. Miga, perceba que foram pelo menos 5 anos de dedicação até obter um resultado. Portanto, não é da noite do pro dia que se chega ao resultado esperado. Mas mesmo em um cenário totalmente adverso, é possível prosperar: trabalhando duro, acreditando no seu potencial e não desistindo nunca.

Enfim, Mariana é uma verdadeira Moving Girl e eu espero que essa história tenha te inspirado a seguir em frente! Conheça uma outra Moving Girl de sucesso clicando aqui.

Taurina, designer e mãe empreendedora expatriada em Lisboa. Desde 2016 na gringa, cursou mestrado em design e trabalhou na 3M, ambos em Milão. Infoprodutora, ajuda mães empreendedoras a melhorar a comunicação visual dos seus negócios. Além disso, é responsável pela comunicação do Bolei, estúdio de design sustentável fundado em 2012 com seu sócio e marido, Victor Mascarenhas.

Publique um comentário