Top

Emirados Árabes se torna o primeiro país árabe a conceder licença paternidade

Marhaba (oi), miga! Hoje trago uma super novidade no mundo árabe: os Emirados acaba de se tornar o primeiro país árabe a conceder licença paternidade! Isso mesmo!

E como isso nos afeta? Vem comigo, eu te conto!

Como assim o primeiro país árabe a conceder licença paternidade??

Sim, miga… é um choque para mim e talvez esteja sendo para você também.

Os países árabes não costumam conceder licença paternidade, na minha opinião, talvez por considerarem que cuidar do filho recém-nascido seja tarefa apenas das mulheres. No entanto, vale lembrar que existem outros países, que não são árabes, que também não oferecem a licença paternidade.

Mas, mais uma vez os Emirados quebra paradigmas e passa a oferecer licença paternidade, deixando claro que os homens também precisam se comprometer com a criação dos filhos, não apenas financeiramente.

Parece algo tão óbvio para nós, dominadoras mundiais… mas a sociedade ainda tem muita dificuldade de aceitar isso, jogando muitas vezes a responsabilidade em relação aos filhos apenas para as mulheres.

Como funcionará a licença paternidade nos Emirados Árabes?

No último mês de agosto, Vossa Alteza Sheikh Khalifa Bin Zayed Al Nahyan aprovou uma alteração na lei federal que regula as relações de trabalho.

Sheikh Khalifa Bin Zayed Al Nahyan – Emirados se torna o primeiro país árabe a conceder licença paternidade
Vossa Alteza Sheikh Khalifa Bin Zayed Al Nahyan, presidente dos Emirados Árabes Unidos. Fonte: www.gulfbusiness.com

Através dessa alteração foi garantida a licença paternidade aos novos pais nos Emirados Árabes. A licença tem duração de 5 dias úteis e pode ser utilizada desde o dia do nascimento da criança até seis meses após a data. O benefício está sendo oferecido como parte dos planos que o país tem em relação ao apoio à igualdade de gênero.

Estudos apontam que a licença pode ter benefícios a longo prazo, não somente na relação entre pai e filho, mas também na relação entre o casal.

A expectativa também é de que isso contribua para que a relação familiar se torne ainda mais forte e para que o pai esteja mais presente durante toda a vida da criança, não apenas na posição de provedor da casa, mas de fato na posição de um pai presente.

Quem realmente se beneficia com isso?

Miga, vamos pensar juntas: tantas vezes as empresas, de forma tão errônea, contratam homens em vez de mulheres por vários falsos motivos. Um deles é o fato de que no momento da formação de uma família, a mulher vai poder optar por se ausentar do trabalho por certo tempo, através da licença maternidade.

E se por acaso os homens também se ausentassem do trabalho pelo mesmo motivo?

Pode não parecer algo grande, mas será uma desculpa a menos para que as mulheres sejam menos contratadas para alguns cargos, ou para que ganhem um salário menor do que um homem que ocupe o mesmo cargo. Este é apenas um pequeno exemplo de como essa mudança pode beneficiar toda a sociedade, mesmo que a passos pequenos.

Além do que, obviamente, é importante para a mulher que seu companheiro esteja presente nesse período tão novo que é a chegada de um baby e a adaptação à nova vida.

E os homens também se beneficiam, é claro. Vão passar a ter chance de se fazerem mais presentes na vida de seu filho/a.

Família tradicional Emirati usando as vestimentas tradicionais, sentados em um parque. Fonte: www.zawya.com

Mas 5 dias de licença são suficientes para transformar o mercado de trabalho a favor das mulheres?

A resposta é: claro que não, miga!

E está tudo bem! Uma vez que sabemos que para dominar o mundo é preciso muuuuito planejamento e não é através de uma conquista que estará tudo concluído.

Porém, para um país árabe, a licença é uma grande novidade e merece ser comemorada.

Emirados se torna o primeiro país árabe a conceder licença paternidade

Temos a licença paternidade no Brasil também e, infelizmente, ainda falta muito para que a sociedade entenda que os filhos são responsabilidades do casal, de forma igual.

Mas, em conclusão, o que importa aqui é que estamos tendo um progresso e a expectativa é de que, cada vez mais, sejam feitos avanços aqui em relação à igualdade de gênero.

Vamos celebrar pelas nossas migas que vivem aqui e seguir lutando para que no Brasil o avanço não pare, que haja sempre progresso.

Beijo da sua miga do deserto.

Bailarina profissional de dança do ventre, residente nos Emirados Árabes Unidos. Deixou para trás a estabilidade que tinha no Brasil e seguiu um sonho no outro lado do oceano, enfrentando barreiras culturais e se tornando sua própria empresária. Formada em Ciências Contábeis, mas atualmente contadora apenas de histórias dessa vida louca!

Deixe-nos um comentário, miga!