Top

Emily in Paris: mitos e verdades sobre a França que toda empreendedora deve saber

Coucou, miga! Que tal mais uma aula sobre empreendedorismo com Emily in Paris? Já temos aqui no blog um texto super explicativo da nossa chérie Raquel falando dos aprendizados sobre Marketing que a série nos trouxe. Hoje, eu trago pra você a minha visão sobre os mitos e verdades sobre a França que estão dando o que falar no mundo todo após essa estreia pra lá de polêmica da Netflix. Maaaas, alerta rápido: se você ainda não viu a série toda, esse post contém spoilers hihi!

emily in paris

Pronta pra mais essa viagem pra cultura e sociedade francesas, miga? Então, c’est parti !

1. A França tem birra com a língua inglesa? Verdade!

Miga, essa talvez seja a nossa maior dificuldade na hora de se instalar na França. O patriotismo dos franceses é tão forte, que eles não estudam a língua inglesa como fazemos no Brasil, por exemplo. Você consegue imaginar uma empresa no Brasil em que o inglês não seja minimamente usado? Pois é… aqui isso pode acontecer. Por um lado, acho admirável esse amor que eles têm pela língua materna e talvez seja por isso que somos tão apaixonadas por ela (eu sou, pelo menos rs); por outro, vale lembrar que se comunicar aqui, sobretudo no mundo dos negócios, fica difícil se você não souber falar minimamente o francês. Por isso, fica a dica pra quem quer vir pra cá trabalhar ou entrar para uma universidade.

2. Apelidos “carinhosos” dos colegas de trabalho na empresa? Mito!

Fica tranquila, miga! Você não vai ser ridicularizada por ninguém no seu ambiente de trabalho na França. Ninguém vai te colocar apelidos pelo seu sotaque, seu jeito de se vestir, ou por causa do país de onde você vem. Isso é realmente um mito apresentado em Emily in Paris. Simplesmente porque os franceses não se intrometem na vida dos colegas de trabalho. Isso é, sem dúvida, um sinal de respeito, bem ao contrário do que vemos no Brasil, né? Em contrapartida, essa não intromissão pode ser tão profunda que, às vezes, você não consegue nem se aproximar das pessoas, já que fica difícil encontrar o caminho para fazer amizades por aqui, como a própria Emily também nos mostrou. Mas, o mais importante nisso, miga, é não deixar que te diminuam por motivo nenhum. E se isso acontecer, já sabe!

emily in paris

3. Franceses não são muito ligados em redes sociais? Verdade!

Cerca de 58% da população francesa usa uma ou mais plataformas de redes sociais. Tendo em conta a comparação com essa porcentagem no Brasil (98%), podemos considerar a taxa na França bem baixa. Além disso, algo de notável pode ser observado aqui: muitos franceses têm uma conta nas redes sociais, mas mal a usam. Segundo dados, a porcentagem da população francesa que utiliza diariamente certas redes sociais é de:

  • Facebook: 44%
  • YouTube: 20%
  • Instagram: 18%
  • Snapchat: 14%
  • Twitter: 10%
  • Pinterest: 5%
  • LinkedIn: 5%

Taí, então, uma das maiores dificuldades pra quem é de fora quando vem trabalhar com marketing na França: redes sociais. Tanto franceses quanto francesas não são muito fãs de redes sociais de maneira geral, o que nos impede de desenvolver estratégias de comunicação com os clientes. Emily, com sua visão avançada e super engajada de americana, demonstrou exatamente como sofremos aqui para tentar incluir projetos digitais nos planejamentos de marketing e essa é a pura verdade, miga.

4. Rádio-corredor dentro da empresa? Mito!

Miga, nesse tópico vale o mesmo que falei no número 2: franceses não se metem na vida dos outros, isso é um alívio, ufa! Todo aquele receio que temos de ser repreendidas porque temos um crush com alguém de outro departamento, ou porque estamos passando por uma separação de relacionamento, nada disso será alvo de fofoqueiros de plantão. Existe uma política de respeito e de distinção entre a vida profissional e a vida pessoal nas empresas francesas e, por isso, assuntos íntimos jamais serão trazidos à tona em conversas casuais dentro dos escritórios, ou seja, rádio-corredor, aqui não!

emily in paris

5. Empresas francesas costumam abrir um pouco mais tarde? Verdade!

Essa vai pras migas que gostam de dormir um pouco mais: siiiiimmm! Lembram como a Emily achava estranho o seu escritório abrir às 10h e sua chefe chegar pra trabalhar às 11h? Miga, isso aqui não é mau visto pelos seus colegas de trabalho. Problemas com transporte público, consultas médicas, deixar os filhos na escola, esgotamento mental por causa do excesso de trabalho do dia anterior, isso tudo é super compreensível pelo seu superior caso você precise se atrasar um dia ou outro (claro, não podemos abusar, né!) e você não será duramente repreendida por isso. Vale lembrar que a mentalidade aqui é outra e a veracidade na sua palavra contam bastante, ou seja, se você está atrasada, acredita-se que seja por um bom motivo, então, tá tudo bem!

emily in paris

6. Franceses fumam dentro dos escritórios nas empresas? Mito!

Ah, miga, esse clichê dos franceses fumando em tudo que é lugar já tá bem ultrapassado (e ainda bem né!) A lei que proíbe fumar em locais públicos como hospitais, escolas, escritórios, estações de trem e afins entrou em vigor em 2007 aqui e pode-se dizer que esse iniciativa teve um resultado bastante positivo. De acordo com o Ministério da Saúde da França, o fumo era, até então, responsável pela morte de 66 mil pessoas por ano no país – 6 mil delas em conseqüencia de tabagismo passivo. Por isso, a partir dessa lei, novas campanhas de informação sobre os danos à saúde causados pelo cigarro começaram a ser veiculadas no país. como forma de fortalecer a luta contra o tabagismo.

Além disso, com o intuito de endurecer mais ainda essas medidas, a prefeitura de Paris decidiu proibir o fumo em 52 parques públicos e jardins da cidade. O anúncio da medida visa lutar contra a poluição e o tabagismo passivo. Então, miga, essa imagem do francês-chaminé mostrada em Emily in Paris já era.

emily in paris
“Você está entrando em um parque sem tabaco” | Foto: Mairie de Paris

7. O trabalho de au pair (babá) é comum na França? Verdade!

Miga, você conhece o trabalho de au pair? É o seguinte: aqui na França é muito comum famílias contratarem meninas (e meninos também, às vezes) para serem babás em tempo integral de seus filhos. Assim, elas têm o dever de cuidar das crianças, ajudar com o dever de casa, cozinhar, etc e, em troca, recebem hospedagem e um salário pelo emprego. Essa é a porta de entrada de muitas meninas que querem fazer suas vidas profissionais e acadêmicas aqui, já que depois de passarem meses trabalhando para essas famílias, elas já se sentem mais à vontade com a língua francesa e já têm mais intimidade com a cultura e com a sociedade do país. É uma ótima oportunidade pra você que deseja começar a empreender em um país estrangeiro e, para te mostrar melhor como se preparar para esse desafio, trouxe um vídeo de uma expert nesse assunto, a Carla. Confere aí!

8. “O cliente tem sempre razão” ? Mito!

Lembra da cena de Emily in Paris em que ela pede um bife ao ponto no restaurante e ele vem mal passado? Na ocasião, ela ainda pede ao garçom para que ele leve o prato ao chefe para “cozinhar” a carne um pouco mais e, para sua surpresa, o chefe manda responder que p bife deveria ser comido exatamente como estava, ou seja, do jeito que o chefe decide. Miga, isso é real! Aqui, o cliente não tem muita razão no momento de discutir com o dono do estabelecimento. Já ouvi, inclusive, relatos de amigos que ouviram a seguinte frase do gerente de um restaurante: “Se você não está satisfeito, pode procurar outro restaurante” (detalhe: quem está me ditando esse trecho é meu namorado francês, o que confirma ainda mais a minha visão). Outro exemplo: se o cliente demora muito tempo para decidir sobre seu pedido, o garçom já ensaia uns olhares de “tá esperando o quê?”. E aí, miga, como você, empreendedora, lidaria com essa situação? Vale a reflexão para adaptar da melhor maneira possível esse dilema dentro dos seu negócio.

9. Networking em qualquer lugar? Verdade!

emily in paris

Pode comemorar, miga! Paris, por ser uma cidade muito cosmopolita e lotada de empresários de todo o mundo, é ótima para se fazer networking. Você pode facilmente cruzar na rua com o dono de uma rede de hotéis de luxo ou ser convidada para um vernissage (evento de uma mostra de arte) e conversar com o artista sobre negócios, por exemplo. Isso é realmente fascinante pra nós que lutamos tanto para conseguir um contato pros nossos negócios, não é? Essa cidade exala arte e eventos culturais, que são geralmente gratuitos, são ótimos pontos de encontro para você fazer contatos, assim como quando Emily conheceu um cliente potencial para sua agência.

10. Franceses ficam consertando sua pronúncia? Mito!

Podemos criticar a postura dura dos franceses, seu amor incondicional pela língua materna, sua rejeição ao inglês, mas devemos admitir que consertar a pronúncia de uma estrangeira falando o francês não é um comportamento muito educado da parte de ninguém, e posso te assegurar, miga, que você não vai sofrer esse tipo de preconceito aqui. Pense, sobretudo, no seguinte: Paris é a cidade mais turística do mundo, a qual recebe, em média, 50 milhões de turistas estrangeiros por ano e a França, só em 2018, recebeu 89 milhões! Imagine, então, como seria desagradável se esse mito fosse verdade, uma vez que nem todos os turistas sabem falar a língua materna do país, né.

emily in paris

Enfim, miga, tenho certeza de que você vai até assistir de outra maneira à segunda temporada de Emily in Paris, não vai?

Vamos fazer um desafio: tente anotar todas as verdades e mitos que você conseguir descobrir durante os episódios e depois escreve pra mim o que você anotou. Vamos trocar figurinhas nos comentários, o que acha? Já estou curiosa por esse debate.

Bisous bisous et à la prochaine !

Carioca da gema, me formei em Publicidade pela PUC-Rio em 2009 e, aos 30 anos, resolvi mudar de área e seguir minha paixão: Letras! Comecei a nova faculdade em 2016 e hoje moro na França para realizar meu mestrado na Paris Sorbonne. Amante incondicional de bichinhos, de Sol e de viagens para qualquer lugar do planeta, estou sempre em transição (inclusive a capilar! rs)

Comments

  • Aline Froess
    11 de novembro de 2020

    Amei, Miga! Eu adoro Paris, fico fascinada com o charme da cidade e em como ela é grande. Não entendo absolutamente nada do que eles dizem. Ando com o “ Je ne parle pas français”, na ponta da língua.
    Quando eu vou, sempre como no Bouillon Chartier, e toda a vez o garçom fala que estamos pedindo muita comida, se temos certeza que vamos comer tudo. Uma vez, o garçom, simplesmente parou de anotar as coisas que estávamos pedindo. Hahahaha Fiquei chocada. Outra coisa, sempre do mesmo restaurante, eu adoro a ameixa seca que eles colocam em cima do Foie Gras, é o único jeito que consigo comer. Uma vez, pedimos mais ameixa, o garçom trouxe 3 ja com o nariz torto, ai pedi mais, ele trouxe um pote cheio e colocou na mesa já nervoso de raiva. Hahahahaha Eu acho engraçado, mas vamos combinar, atendimento como no Brasil, não existe em lugar nenhum.

Deixe-nos um comentário, miga!